h1

Reitoria da UFRGS quer tirar voz de seus alunos

sexta-feira, 16/04/10

No dia 30 de março, em reunião com os formandos do primeiro semestre de 2010, foi anunciado pela Reitoria da UFRGS o fim dos agradecimentos individuais dos alunos nas cerimônias de formatura dessa universidade.

Na tarde desse mesmo dia, foi iniciada pelas comissões de formatura, juntamente com o Diretório Central de Estudantes da UFRGS (DCE-UFRGS), a mobilização que visa à permanência desse direito dos formados dessa instituição. Aproximadamente 40 alunos de diversos cursos da UFRGS foram, acompanhados pelo presidente do DCE, Renan Pretto, ao gabinete do Reitor pedir para que suas reivindicações fossem ouvidas – já que a decisão da Reitoria foi tomada sem que os alunos fossem consultados. Foi feita uma rápida reunião com o Reitor que, naquela ocasião, prometeu uma nova reunião em um prazo máximo de dez dias. No entanto, esse prazo já terminou e ainda não foi divulgada pela Reitoria a data dessa nova reunião.

Com o intuito de levar o posicionamento dos alunos à Reitoria, os alunos da UFRGS formularam em conjunto com o DCE propostas que visam manter o direito de voz dos formandos em suas formaturas. Um documento contendo essas propostas, assinado por quase quarenta comissões de formatura e pelo DCE, foi elaborado e está sendo entregue à Reitoria e aos diretores das faculdades e institutos da UFRGS. O eixo da polêmica situa-se em uma questão central, o fim do direito do uso do púlpito pelo formando – que impede que esse formando possa fazer seu agradecimento. Além dessa questão, há ainda outras mudanças na cerimônia que não foram bem recebidas pelos alunos que usufruirão e pagarão essas cerimônias, como o aluno não poder mais fazer a chamada de seu colega ou ainda ser impedido de receber seu diploma de um familiar graduado no mesmo curso pela UFRGS, características que já eram tradicionais das formaturas dessa universidade.

Desde segunda-feira, dia 12 de abril, um abaixo-assinado elaborado pelos formandos começou a circular e já conta com quase 1700 assinaturas até o momento. Ele pode ser assinado em http://www.abaixoassinado.org/assinaturas/abaixoassinado/5953 e será entregue à Reitoria.

Como motivo das mudanças no cerimonial, a Reitoria alega o tempo, já que algumas formaturas contam com um grande número de alunos, o que acaba tornando a cerimônia muito extensa e cansativa, seja para formandos, seja para amigos e familiares. Foi levando essas alegações em consideração que as propostas dos formandos de 2010/1, 2010/2 e 2011/1 foram elaboradas – elas limitam o tempo de cada formando sem tirar o direito de fala desse formando.

Tendo os fatos acima relacionados em mente, os estudantes da UFRGS e seu DCE tornam pública a situação, a tentativa da Reitoria de tolher a liberdade de expressão com responsabilidade, foco dessa polêmica: o poder expressar-se pensando no respeito aos demais – sejam eles os outros formandos, sejam eles familiares e amigos desses formandos, sejam eles as autoridades da UFRGS presentes nas cerimônias – através da utilização adequada do tempo de cada formando, para que as formaturas não sejam demasiadamente longas, e de uma postura adequada do aluno nesse seu grande momento, sua formatura.

Os alunos da UFRGS aguardam ansiosamente pelo retorno da Reitoria a esse pedido, que siga existindo a liberdade de expressão na maior universidade do Estado e uma das mais importantes universidades da América Latina.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: